24/08/2009

Ementas IV: 2 Discip ( " Identidade coletiva, gênero e educação // "Relações de gênero e educação escolar"



NOME DA DISCIPLINA:

Identidade coletiva, gênero e educação

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:Estado, Educação e Sociedade

Nº DA ÁREA:

48134

DURAÇÃO EM SEMANAS:

15

Nº DE CRÉDITOS:

8



DOCENTE RESPONSÁVEL:

Cláudia Pereira Vianna

EMENTA:

O curso visa oferecer subsídios para a compreensão das teorias sobre identidade coletiva na intersecção com as relações de gênero e com a educação, problematizando as principais abordagens teóricas e as possibilidades de pesquisas na área da educação sob essa perspectiva de análise.

PROGRAMA

OBJETIVOS:Propiciar a alunas e alunos elementos para: compreender o gênero e a identidade coletiva enquanto categorias teóricas de análise; explorar suas diferentes abordagens nas pesquisas educacionais e articular o conceito de identidade coletiva com as temáticas pertinentes às relações de gênero na análise da ação coletiva docente.

JUSTIFICATIVA:Tradicionalmente, o foco privilegiado no uso do conceito de identidade recebeu grande influência da psicologia e sua decorrente centralização na produção da identidade individual. A discussão sobre identidade docente também apoiou-se nessa ótica individualizada de análise, sem discutir a construção da identidade coletiva, um dos vértices importantes para a constituição dos movimentos sociais e da organização docente. Além disso, a discussão dessa temática quase não tem incorporado as possíveis contribuições da perspectiva que se apoia nas relações de gênero.

Assim, esse curso procura apresentar algumas alternativas de análise que visem a intersecção entre identidade coletiva, relações de gênero e educação, bem como contribuir para a utilização do conceito de identidade coletiva nas futuras pesquisas sobre educação e organização docente.

Dessa forma, a perspectiva nele privilegiada contribui para compreendermos as possibilidades e os limites das ações coletivas, em especial nas suas dimensões que remetem às diferenças e preconceitos de gênero que muitas vezes caracterizam a identidade coletiva docente.

CONTEÚDO:1. Recortes teóricos do conceito de identidade: abordagens não sociais do ator; teorias do comportamento coletivo; teorias de movimento social e teorias da ação coletiva.

2. Rumo ao conceito de identidade coletiva: as contribuições de Alberto Melucci.

3. Identificar x diferir?: pistas para a constituição de identidades coletivas

4. Identidade e gênero: do sexo à construção social das relações de gênero.

5. Identidade docente e relações de gênero.

6. Diferenças e preconceitos de gênero na escola: desafios para possíveis ações coletivas.

FORMAS DE AVALIAÇÃO:O processo de avaliação levará em consideração a freqüência e a elaboração de trabalho a ser entregue ao término do curso, o qual deverá conter uma reflexão teórica sobre a temática da pesquisa desenvolvida pela/o pós-graduanda/o, tendo por base o conteúdo abordado durante o curso.

BIBLIOGRAFIA:

FRANGO, Luz; LÉON, Magdalena; VIVEROS, Mara (orgs). Gênero e identidade: ensayos sobre lo feminino y lo masculino. Colombia, FCU/UNC: 1995.

BERGER, Peter e LUCKMANN, Thomas. Mobilitá sociale e identitá personale. In: SCIOLLA, Loredana. Identitá: percorsi di analisi in sociologia. Torino: Rosenberg e Sellier, 1983, p.185-201.

BERGER, Peter; BERGER, Brigitte; Kellner, Hansfried. La pluralizzazione dei mondi della vita. In: SCIOLLA, Loredana. Identitá: percorsi di analisi in sociologia. Torino: Rosenberg e Sellier, 1983, p.169-184.

BLANCO, Marisa Revilla. El concepto de movimiento social: acción, identidad y sentido.Zona Abierta, n. 69, 1994, p. 181- 213.

BONACINI, Irma Luiz. A maior aula em praça pública: trabalho, política e imaginário das professoras primárias em Minas Gerais: 1978-1980. Campinas : 1992. Tese (Doutorado). UNICAMP.

BRUSCHINI, Maria Cristina A., AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Cortez/Fundação Carlos Chagas, n.64, p.4-13, fev. 1988.

CAPPELLIN, Paola. Viver o sindicalismo no feminino. Revista Estudos Feministas. Rio de Janeiro: CIEC/ECO/UFRJ, nº Especial, 2º sem. 1994, p.271-90.

CARMINATI, Fábia Lilian Luciano. Conflitos e confrontos de mulheres professoras no movimento de greve. Porto Alegre: 1993. Dissertação (Mestrado). UF-RGS.

CARVALHO, Marília Pinto de. Mau aluno, boa aluna? Como as professoras avaliam meninos e meninas. Estudos Feministas. Florianópolis: CFH/CCE/UFSC, v. 9, n.2, p. 554-574, 2001.

CARVALHO, Marília Pinto de. Vozes masculinas numa profissão feminina. Estudos Feministas. Rio de Janeiro : v. 3, n.2, 1995, p.406-422.

CASTRO, Mary Garcia. Alquimia de categorias sociais na produção de sujeitos políticos.Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro: n.0, 1992, p.57-73.

CATANI, Denice et allii. Os homens e o magistério: as vozes masculinas nas narrativas de formação. In: BUENO, Belmira et allii (orgs). A vida e o ofício dos professores: formação contínua, autobiografia e pesquisa em colaboração. São Paulo : Escrituras, 1998, p.45-64.

CHILLEMI, Margaret Maria. Produção de subjetividade, militância e gênero. Porto Alegre : 1997. Dissertação (Mestrado), PUC-RS.

CONNELL, Robert W. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade, Porto Alegre : v.2, n.20, p.185-206, jul./dez., 1995.

CONNELL, Robert W. Teachers’ work. Australia : Macarthur Press, 1985 (Biblioteca da FEUSP).

COSTA, Albertina de O., BRUSCHINI, Cristina (org.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro/São Paulo : Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas, 1992.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora, 1997.

FAUSTO-STERLLING, Anne. Dualismos em duelo. Cadernos PAGU, Campinas, n. 17/18, 2001/2002, p.9-80.

FERREIRA, Fernando Ilídio. Identidades dos professores: perspectivas teóricas e metodológicas. In: ESTRELA, Albano, CANÁRIO, Rui, FERREIRA, Júlia (orgs).Formação, saberes profissionais e situações de trabalho. Lisboa : VI Colóquio Nacional da AIPELF/AFIRSE, vol. I, Universidade de Lisboa: 1996, p.309-328.

FILIPE, José M. Currículo e carreira contra biografia e identidade: responsabilidade e legitimidade na acção educativa. In: ESTRELA, Albano; CANÁRIO, Rui, FERREIRA, Júlia (orgs). Formação, saberes profissionais e situações de trabalho. Lisboa : VI Colóquio Nacional da AIPELF/AFIRSE, vol. I, Universidade de Lisboa, 1996, p.329-46.

FLAX, Jane. Pós-modernismo e as relações de gênero na teoria feminista. In: BUARQUE DE HOLLANDA, H. (org.). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro : Rocco, 1991, p.217-250.

GARCIA, Marco Aurélio. O gênero da militância: notas sobre as possibilidades de uma outra história da ação política. Cadernos PAGU. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, n.8/9, 1997, p.319-442.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo : Loyola, 1997.

GOLDENBERG, Mirian. Mulheres & militantes. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro : vol.5, n.2, 1997, p.349-366.

GONÇALVES, José Alberto. Prática docente e identidade profissional. In: Formação, saberes profissionais e situações de trabalho. Lisboa: Universidade de Lisboa, VI Colóquio Nacional da AIPELF/AFIRSE, vol. I, 1996, p.363-377.

KRUPPA, Sônia Maria Portella. O movimento de professores em São Paulo: o sindicalismo no serviço público, o Estado como patrão. São Paulo : 1994. Dissertação (Mestrado), FE-USP.

LAMAS, Marta. Cuerpo e identidad. In: ARANGO, Luz; LÉON, Magdalena; VIVEROS, Mara (orgs). Gênero e identidade: ensayos sobre lo feminino y lo masculino. Colombia, FCU/UNC : 1995, p.62-81.

LARAÑA, Enrique, JOHNSTON, Hank, GUSFIELD, Joseph R. New Social Movements: from ideology to identity. Filadélfia : Temple, Un. Press, 1994.

LEFEBVRE, Henri. El manifesto differencialista. Paris: Siglo Veintiuno de España, 1972.

LOBO, Elisabeth Souza. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo : Brasiliense/SMC, 1991.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. São Paulo : Vozes, 1997

LOURO, Guacira Lopes. Gênero: questões para a educação. BRUSCHINI, Cristina; UNBEHAUM, Sandra. Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo: Ed. 34, 2002.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer: uma política pós identitária para a educação.Estudos Feministas. Florianópolis: CFH/CCE/UFSC, v. 9, n.2, 2001.

LUGLI, Rosário S. Genta. Um estudo sobre o CPP (Centro do Professorado Paulista) e o movimento de organização dos professores: 1964 - 1990. São Paulo. Dissertação (Mestrado), FE-USP.

MELUCCI, Alberto (org.). Altri Codici: aree di movimento nella metropoli. Bologna : Il Mulino, 1984.

MELUCCI, Alberto. A experiência individual na sociedade planetária. Revista Lua Nova,São Paulo : CEDEC, n.38, 1996.

MELUCCI, Alberto. A strange kind of newness: what’s ‘new’ in the New Social Movement?. In: LARAÑA, Enrique, JOHNSTON, Hank, GUSFIELD, Joseph R. New Social Movements: from ideology to identity. Filadélfia : Temple, Un. Press, 1994c, p.101-130.

MELUCCI, Alberto. Culture in gioco: differenze per convivere. Milano: Saggiatore, 2000.

MELUCCI, Alberto. Il gioco dell’io: cambiamento di sé in una società globale. Milano : Saggi/Feltrinelli, 1992.

MELUCCI, Alberto. Invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, 2001.

MELUCCI, Alberto. Movimentos sociais, renovação cultural e o papel do conhecimento - entrevista a Leonardo Vritzer e Timo Lyra. Novos Estudos Cebrap, n. 40. São Paulo : CEBRAP, 1994, p.152-166.

MELUCCI, Alberto. Nomads of the present: social movements and individual needs in contemporary society. Filadélfia : Temple, Un. Press, 1989.

MELUCCI, Alberto. Passaggio d’epoca: il futuro è adesso. Milano : Feltrinelli, 1994.

MELUCCI, Alberto. Sociedade complexa, identidade e ação coletiva - entrevista a Dalila Pedrini e Adrian Scribano. In: Cadernos do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Movimentos Sociais - movimentos sociais na contemporaneidade. São Paulo: PUC-Serviço Social, n.2, abr. 1997b, p.33-63.

MELUCCI, Alberto. Sul coinvolgimento individuale nell’azione colletiva. Rassegnaitaliana di sociologia, ano XXVIII, n.1, genn.marzo, 1987, p.29-53.

MELUCCI, Alberto. The process of collective identity. In: KLANDERMANS, Bert, JOHNSTON, Hank (orgs.). Social Movements and culture. Minneapolis: Un. of Minnesota Press, 1995, p.41-63.

MONTEIRO, Nelma Gomes. O engajamento sindical da mulher educadora. Vitoria: 1993. Dissertação (Mestrado). UF-ES.

MORENO, Montserrat. Como se ensina a ser menina. São Paulo/Campinas: Moderna/UNICAMP, 1999.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas. Florianópolis: CFH/CCE/UFSC, v.8, n.2, 2000, p.9-42.

NÓVOA, António (org). Vidas de Professores, Porto : Porto Editora, 1992

NÓVOA, António. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolevimento da profissão docente. Teoria & Educação, Porto Alegre : Pannonica/UFRGS, n.4, 1991, p.109-139.

OSORES, Norma J. Fuller. Identidades masculinas: varones de classe media en el Perú. Lima : PUC-Perú, 1997.

PARSONS, Talcott. Il ruolo dell’ identità nella teoria generale dell’azione. In: SCIOLLA, Loredana. Identitá: percorsi di analisi in sociologia. Torino : Rosenberg e Sellier, 1983, p.63-88. Ou PARSONS, Talcott. The position of identity in General Theory of Action. In: GORDON, C. E GERGEN, K. (orgs.). The self in Social Interaction, New York : Wiley, 1968, p.11-23.

PERALVA, Angelina Teixeira. Reinventando a escola: a luta dos professores públicos do Estado de São Paulo na transição democrática. São Paulo : 1992. Tese (Livre Docência) FE-USP.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da diferença. São Paulo: Ed.34, 1999.

PIZZORNO, Alessandro. Identitá e interesse. In: SCIOLLA, Loredana. Identitá: percorsi di analisi in sociologia. Torino : Rosenberg e Sellier, 1983, p.139-154.

POLLACK, William. Meninos de verdade: conflitos e desafios na educação de filhos homens. São Paulo: Alegro, 1999. (Cap. X Escolas a bagunça do quadro negro)

RIBEIRO, Maria Luisa Santos. A formação política do professor de 1º grau. São Paulo : Cortez, 1991.

ROSEMBERG, Fúlvia, AMADO, Tina. Mulheres na Escola. Cadernos de Pesquisa, São Paulo : Cortez/Fundação Carlos Chagas, n.80, p.62-74, fev. 1992.

SCIOLLA, Loredana. Identitá: percorsi di analisi in sociologia. Torino : Rosenberg e Sellier, 1983.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre : v. 20, n. 2, p.71-99, jul./dez. 1995.

SCOTT, Joan Wallach. Igualdad versus diferencia: los usos de la teoria postestructuralista.Debate Feminista, Mexico - D.F. : v.5, mar. 1992, p.85-104.

SCOTT, Joan Wallach. Prefácio à Gender and Politics of History. Cadernos PAGU. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, n.3, 1994, p.11-28.

SILVA, Tomaz Tadeu da Silva. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOUZA, Ana Maria Borges de. Do espaço escolar às ruas: um olhar sobre o movimento dos trabalhadores em Educação em Santa Catarina. Florianópolis : 1994. Dissertação (Mestrado). UFSC.

SOUZA, Aparecida Néri de. Sou professor sim senhor! representações, sobre o trabalho docente, tecidas na politização do espaço escolar. São Paulo : 1993. Dissertação (Mestrado), UNICAMP.

TEIXEIRA, Inês Assunção de Castro. Ritos de Passagem: o fazer-se do(a) trabalhador(a) em pedaços de historia. Belo Horizonte : 1992. Dissertação (Mestrado). UF-MG.

TILLY, Louise A. Gênero, história das mulheres e história social. Cadenos PAGU. Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, n.3, 1994, p.29-62.

TOURAINE, Alain. Le retour de l’acteur. Paris : Fayard, 1984.

TOURAINE. Alain. I due volti dell’identitá. In: SCIOLLA, Loredana. Identitá: percorsi di analisi in sociologia. Torino : Rosenberg e Sellier, 1983, p.155-166.

VARIKAS, Eleni. Gênero, experiência e subjetividade: a propósito do desacordo Tilly-Scott.Cadernos PAGU. Campinas : Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, n.3, 1994, p.63-84.

VIANNA, Cláudia Pereira. Entre o desencanto e a paixão: desafio para o magistério. In: BRUSCHINI, Cristina, HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Horizontes plurais: novos estudos de gênero no Brasil. São Paulo : Fundação Carlos Chagas/Ed. 34, p.315-342.

VIANNA, Cláudia Pereira. O sexo e o gênero da docência. Cadernos PAGU, Campinas, n. 17/18, 2001/2002.

VIANNA, Cláudia. Os nós do nós: crise e perspectivas da ação coletiva docente em São Paulo, São Paulo : Xamã, 1999.

VIDAL, Diana Gonçalves. Sexualidade e docência feminina no ensino primário do Rio de Janeiro (1930-1940). In: BRUSCHINI, Cristina, HOLLANDA, Heloisa Buarque de.Horizontes plurais: novos estudos de gênero no Brasil. São Paulo : Fundação Carlos Chagas/Ed. 34, p.281-314.

WILLIAMS, Christine l. Still a man’s world: men who do “women’s work. Bekerley : Un. of California Press, 1995.



NOME DA DISCIPLINA:

Relações de gênero e educação escolar




Nº DE CRÉDITOS:

8

DOCENTE RESPONSÁVEL (nome e nº USP)

Marília Pinto de Carvalho

EMENTA: O curso visa a proporcionar aos alunos conhecimento sobre as teorias de gênero e os debates em curso nesse campo no âmbito da Sociologia da Educação, ao lado de informações empíricas sobre as relações sociais de gênero na educação brasileira atual, em especial na educação escolar, com vistas à utilização desta categoria de análise em suas próprias pesquisas.

PROGRAMA

OBJETIVOS: Oferecer aos alunos condições de utilizar o gênero como categoria teórica em suas próprias análises e pesquisas por meio de: 1) instrumentais teóricos para compreender o gênero e seu potencial de análise nas pesquisas em sociologia da educação, tendo em vista sua complexa articulação com outras formas de desigualdade social, tais como as hierarquias de classe e raça/etnia; 2) informações empíricas sobre as relações sociais de gênero na educação brasileira atual, em especial na educação escolar; 3) debates sobre as diferentes apropriações do gênero em pesquisas educacionais brasileiras recentes, particularmente no campo da sociologia da educação.

JUSTIFICATIVA: Os estudos de gênero têm se desenvolvido no Brasil pelo menos desde os anos 80, constituindo-se hoje num campo já consolidado de pesquisa e elaboração de conhecimentos sobre a sociedade brasileira e dispondo de extenso arsenal teórico. Contudo, na área da sociologia da educação, a presença de estudos que utilizem o gênero como categoria de análise ainda é pequena e marcada por um frágil aprofundamento teórico. Essa disciplina visa, assim, contribuir na superação dessas lacunas, levando os alunos a transitarem na interface entre os estudos educacionais e os estudos de gênero, numa perspectiva sociológica.

CONTEÚDO:

1) As diferentes abordagens teóricas do gênero: teorias universalistas; teorias da diferença; teorias pós-estruturalistas; articulações entre desigualdades de gênero, classe e raça/etnia.

2) A educação brasileira hoje e as relações sociais de gênero: estatísticas educacionais por sexo e raça/etnia; a escola e as desigualdades de gênero; gênero e trabalho docente; gênero e infância.

3) Usos e abusos do gênero na pesquisa educacional: a produção acadêmica brasileira na interface entre gênero e educação; discussão de trabalhos recentes da sociologia da educação no Brasil e sua utilização do gênero como categoria de análise.

FORMAS DE AVALIAÇÃO: seminários, resenhas das leituras obrigatórias e monografia de síntese.

BIBLIOGRAFIA:

AYDT, H.; CORSARO, W. Differences in children’s construction of gender across culture: an interpretive approach, American Behavioral Scientist, v. 46, n. 10, June 2003, p.1306-1325.

BARBIERI, Teresita de. Sobre la categoría género: una introdución teórico-metodológica IN: AZEREDO, Sandra, STOLCKE, Verena. (coords.) Direitos Reprodutivos, São Paulo, FCC/DPE, 1991.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina, Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n.2, p. 133-184, jul./dez. 1995.

BOURDIEU, Pierre. Novas reflexões sobre a dominação masculina. IN: LOPES. M. J. et alli (orgs.) Gênero e saúde, Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

BRUSCHINI, Cristina, SORJ, Bila (orgs.). Novos olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil, São Paulo, Marco Zero / Fundação Carlos Chagas, 1994.

BRUSCHINI, Cristina; HOLLANDA, Heloísa Buarque de (orgs.). Horizontes plurais: novos estudos de gênero no Brasil, São Paulo, Fundação Carlos Chagas / Ed. 34, 1998.

CARVALHO, Marília Pinto de. Mau aluno, boa aluna? Como as professoras avaliam meninos e meninas. Estudos Feministas, v. 9, n. 2, p. 554-574, dez. 2001a.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais, São Paulo: Xamã, 1999.

CARVALHO, Marília Pinto de. Quem são os meninos que fracassam na escola?. Cadernos de Pesquisa, São Paulo:v.34, n.121, jan./abr. 2004, p.11-40.

CATANI, Denice B. et alli (orgs.). Docência, memória e gênero: estudos sobre formação, São Paulo, Escrituras, 1997.

CATANI, Denice et alli. Os homens e o magistério: as vozes masculinas nas narrativas de formação. IN: BUENO, B. O. et alli (orgs.), A vida e o ofício dos professores: formação contínua, autobiografia e pesquisa em colaboração, São Paulo: Escrituras, 1998.

CHODOROW, Nancy. Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher, Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, 1990.

COLLIN, Françoise. Diferença e diferendo: a questão das mulheres na Filosofia. IN: DUBY, George; PERROT, Michelle (orgs. da coleção); THÉBAUD, Françoise (dir. do volume), História das mulheres no Ocidente, v. 5: o século XX, Porto: Afrontamento / São Paulo: Ebradil, 1991

CONNELL, R. W. The men and the boys. Bekerley: UC Press, 2000. p.148-176

CONNELL, Robert W. Disruptions: improper masculinities and schooling. IN: KIMMELL, M. S. / MESSNER, M. A. (orgs.) Men’s lives. Boston: Allyn and Bacon, 1997.

CONNELL, Robert W. La organización social de la masculinidad. IN: Valdés, T; Olavaria, J. (eds.)Masculinidad/es: poder y crisis, Santiago, Chile: Isis Internacional, 1997.

CONNOLLY, P. Racism, gender identities and young children: social relations in a multi-ethnic, inner-city primary school. London: Routledge, 1998.

CORREA, Mariza. Bourdieu e o sexo da dominação, Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n.54, jul. 1999, p.43-53.

COSTA, Albertina de O. & BRUSCHINI, Cristina (orgs.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, São Paulo, Fundação Carlos Chagas, 1992.

COSTA, Marisa C. Vorraber. Trabalho docente e profissionalismo: uma análise sobre gênero, classe e profissionalismo no trabalho de professoras e professores de classes populares, Porto Alegre, Sulina, 1995.

DURU-BELLAT, Marie. L’École des Filles: quelles formation pour quells rôles sociaux ? Pais : L’Harmattan, 2002( Nouvelle édition revue et actualisée).

EPSTEIN, D. et al. (eds.) Failing boys? Issues in gender and achievement. Buckingham: Open University Press, 1998.

FERGUSON, Ann Arnett, Bad boys: public school in the making of black masculinity. TheUniversity of Michigan Press, 2000.

FERRARO, Alceu. Género y alfabetización en el Brasil de 1940 al 2000: trazando la trayectoria de da relación. International Sociological Association, XVI ISA World Congress of Sociology, July 2006.

GILLIGAN, Carol. Uma voz diferente: psicologia da diferença entre homens e mulheres da infância à idade adulta, Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, s.d..

IZQUIERDO, María Jesús. Uso y abuso del concepto de género. IN: VILANOVA, Mercedes (comp.). Pensar las diferencias, Universitat de Barcelona / Institut Catalá de la Dona, Barcelona, 1994.

KERGOAT, Danièle. Em defesa de uma sociologia das relações sociais: da análise crítica das categorias dominantes à elaboração de uma nova conceituação IN: KARTCHEVSKY-BULPORT, Andrèe et al. O sexo do trabalho, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1986.

LOURO, G.L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação, Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista, Petrópolis, Vozes, 1997.

MAC an GHAILL, M. The Making of men: masculinities, sexualities and schooling.Buckingham: Open University Press, 1995.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v.8, n.2, p. 9-42, 2000.

ROSEMBERG, F. Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo. Estudos Feministas, Florianópolis: v. 9, n.2, 2001.

SCOTT, Joan W. Gender and the politics of history, New York, Columbia University Press, 1988.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, n. 20, v.2, p. 71-100, jul./dez. 1995.

SCOTT, Joan W. Igualdad versus diferencia: los usos de la teoría postestructuralista. Debate Feminista, Mexico D.F., v. 5, p. 85-104, mar. 1992.

SEWELL, Tony. Black masculinities and schooling: how black boys survive modern schooling. London: Trentham Books, 2000.

SKELTON, C.. Schooling the boys: masculinities and primary education. Buckingham: Open University Press, 2001.

TELLES, E. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Fundação Ford, 2003.

TILLY, Louise. Gênero, história das mulheres e história social, Cadernos Pagu, Campinas, n. 3, 1994, p. 29-62.

VARIKAS, Eleni. Gênero, experiência e subjetividade: a propósito do desacordo Tilly-Scott.Cadernos Pagu, Campinas, n. 3, 1994, p. 63 - 84.

VIANNA, C.P. ; UNBEHAUM, S. O gênero nas políticas públicas de educação no Brasil: 1988-2002. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 121, jan./abr. 2004, p. 77-104.

VIANNA, Claudia. Os nós do nós: crise e perspectivas da ação coletiva docente em São Paulo. São Paulo: Xamã, 1999.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores